“Eu vim aqui tentar achar um emprego melhor para ajudar a minha família e eventualmente voltar para casa”, ele me falou enquanto almoçávamos perto do seu trabalho. “Mas é pouco dinheiro, o Real não é tão valioso quanto o Dólar e isso dificulta muito as coisas. Não era assim quando eu decidi vir para cá”. Moussa é senegalês, mora com outros cinco imigrantes e um apartamento de três quartos e trabalha como programador e uma empresa de TI. No Brasil também já trabalhou como limpador de piscina e vendedor de rua.

 

Em outra área da cidade um grupo se reune todos os domingos pedindo uma intervenção militar para remover políticos corruptos, estabilizar o país e assegurar novas eleições sem nenhum candidato antigo. “Não é uma ditadura, nós somos a favor da democracia. Só queremos melhorar a democracia”. Um dos membros me diz que como ele viveu os anos da ditadura militar no Brasil ele pode atestar que ela não foi tão ruim como dizem. “Os livros de história tão cheios de mentiras. Eu sei porque eu vivi aquele período”. Alguns dos membros são ex-militares, a maioria são homens acima de 40 anos.

 

Esse é o resultado dos recentes anos de protestos no Brasil. Depois da mídia internacional decidir que nossa história não valia mais a pena ser contada nós fomos deixados a deriva com e com um futuro incerto. O sucesso econômico dos anos 2000 não cumpriu o sonho de nos transformar em um país desenvolvido e agora o Brasil é uma promessa quebrada. Nós somos um povo cansado e dormente, sem fé que nossas instituições resolvam algo.

 

Protestos, impeachment, novo governo e agora estamos em uma era marcada por frustração e decadência. Agora mesmo depois de nossos momentos mais inflamados o que nós realmente queremos é que essa época acabe. Estamos vivendo em um intervalo entre capítulos da História sem saber como esse momento será descrito. A sensação é de uma longa quarta-feira de cinzas, o céu está nublado, a praia está suja e a única memória desse tempo será a ressaca.

Este projeto foi selecionado como ganhador do Prêmio Foto Em Pauta 2018 para Fotolivros e foi publicado em formato de Fotolivro pela Ipsis Gráfica junto da editora Tempo D`Imagem.